"Se eu te pudesse dizer
o que nunca te direi,
tu terias que entender
aquilo que nem eu sei."
Fernando Pessoa

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

gatilho


Flor Garduno

Reparei em ti no dia que vi, pela primeira vez, o teu ombro destapado.
Nesse momento, senti, senti mesmo, algo que não defino o que é.

Seria talvez um arrepio frio mas quente, uma onda eléctrica mas calma, um desejo rápido e fugaz mas que durou uma eternidade, uma seta em cheio, que perfurou de cima para baixo e não doeu. 

Uma contradição, sem dúvida.

Será possível um bocado de pele nua causar tamanho terramoto, sem nada abanar?
Fixei os olhos, eram escuros, bonitos, e sem brilho. O rosto sereno, alheado, composto pelo cabelo negro em desalinho.

Como eu gosto.

Ontem mesmo. Outra mulher.

O oposto em tudo, mas o momento foi igual, um flash eterno de contradições. Um bocado de pele nua, o pescoço. Os lábios perfeitos, quase desenhados, olhos verdes, vivos, luminosos. O cabelo, loiro, arranjado para impressionar.

Como eu gosto.

Olho para as mulheres, mas quando as vejo assim, fico numa alegria pueril.
Depois, bom...
Depois a vida continua.

Um brinde.
Um brinde ao deus, ou deuses, que criaram a mulher.
Não foi obra de um só.

Será que é a pele o gatilho deste vulcão?

E será que importa...

conta corrente
in como olho e as vejo

16 comentários:

  1. alguém dizia que a mulher é uma das mais belas criações do mundo. concordo contigo.
    adoro apreciar mulheres. :)

    beijinho CC

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Arrisco a dizer a mais Bela, pelo menos quando são vistas assim... sedutoras. Isso é fatal no caso do CC :)
      Beijinho Laura

      Eliminar
  2. Ah! Muitas vezes, esses momentos de contemplação são necessários. ;)

    Beijo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando se olha e vê assim uma mulher é, mas mesmo muito, saboroso ;)
      Beijo

      Eliminar
  3. Não foi o bocado de pele, conta corrente.
    Foi a imensidão que não se vê.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes Isabel estou tentado a concordar contigo.
      Quando olhamos uma mulher, desta forma mais carnal, há sempre um gatilho, que nos faz ver em vez de olharmos só como tantas outras vezes.
      Depois sim, segue a imensidão do que afinal ainda não tínhamos visto. Mas essa imensidão, boa ou má, é outro post.
      Este é só sobre o flash da alegria de quando vemos numa mulher uma verdadeira tentação.
      :)Beijo

      Eliminar
  4. A mulher a mais bela criação do Universo!

    boa tarde

    -___-

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito provavelmente meu caro

      :)

      Boa noite

      Eliminar
  5. Respostas
    1. O gostei quando dito dessa forma é muito agradável :)

      Eliminar
  6. o gatilho funciona melhor quando é apenas um pedaço de pele.. pois certamente nã funciona da mesma forma quando é só pele, certo?

    ResponderEliminar
  7. A pele é o gatilho quando é pouca, a imaginação faz o resto :)

    ResponderEliminar
  8. Gosto de perceber que há homens que apreciam as mulheres quase como uma forma de arte, ainda que muita gente me possa querer atirar pedras por isto parecer uma objectificação da mulher, ainda que como objecto de arte; mas apreciar a beleza assim não terá outra maneira mais bonita de a poder exprimir - como quase forma de arte. Gosto que haja homens assim, que vejam a beleza da mulher como mulher, seja loura, morena, cabelo comprido, curto ou assim assim, alta ou baixa, é a beleza que seduz e isso ninguém sabe definir, é uma conjugação, e isso é que é tão bonito... o rastilho é o que for, não acho que seja sempre pele, pode ser a forma de andar, de se mexer, de sorrir ou gargalhar, algo chama a atenção e depois o deslumbramento silencioso fará o resto... digo eu. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A mulher é arte, pura, e não um objecto de arte.
      Aliás, o encanto é mesmo esse, não ser um objecto.
      :)

      Eliminar