"Se eu te pudesse dizer
o que nunca te direi,
tu terias que entender
aquilo que nem eu sei."
Fernando Pessoa

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Regresso ao Medo



Steve Schapiro

Aviso
Só te quero aqui se me amares.
Se estás por pena, obrigação ou proveito próprio, sai, bate a porta com força e não olhes para trás.
Inquietude, Isabel Pires  


Logo a seguir ao Medo viveram-se eternas primaveras. A descoberta do Ele e do Ela. Aquela leveza de coração que cega os amantes. Em que a finitude de cada um não conta. E não conta mesmo.
Da descoberta passaram ao hábito. Necessidade única em que não se vive só. O tal parar de girar do mundo que só acontece na comunhão perfeita de dois corpos. O hábito bom do dormir de mão dada, do cheiro do outro, dos gestos e olhares que tudo dizem. Tudo, portanto, no seu devido lugar.

Até que a chuva chegou, sem aviso, sem ser convidada.

Diz Ela
- sabes hoje vou partir. Vejo nos teus olhos o teu medo do passado. A outra Ela, que quase te matou, voltou para a tua cabeça, e está espelhada no teu olhar. No meu olhar, mais uma vez vês rejeição...

Ele nada disse. Ela chorou. A porta bateu com estrondo.
Destino traçado, cada um de volta à sua ombreira, cada um com o seu Medo.

Mas, Ele amava Ela, e tinha de acabar para sempre com a outra Ela. Jamais teria paz senão lhe fizer condigno funeral. Terá de ser mais forte que nunca. Conseguirá?

Para firmar esta vontade, ao som da chuva, escreveu:
Estou surdo de tanto silêncio.
Surdo com a violência do estrondo da porta.
Quando saíste... foi com sentimento de revolta.
O meu medo ganhou, essa paixão do passado, voltou. O teu medo ganhou, voltaste a ser rejeitada.
Desculpa...
Eu vou arranjar isto. Vais voltar por aquela porta, com estrondo de desejo.
Prometo.

Será que Ela volta? Conseguem as pessoas apagar o passado?

9 comentários:

  1. depende do passado e das pessoas.
    há passados que se podem transformar em presentes transformados.

    ResponderEliminar
  2. «Deve-se sempre praticar hara-kiri
    quando nos amam por favor.»

    Dinis H. G. Nunes, A Obra Pimba

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que exagero!

      Ela comete hara-kiri e ele fica com a outra Ela!

      Não será melhor Ele lutar com o passado?

      Violência :)

      Eliminar
  3. Na minha opinião as pessoas não deveriam querer apagar o passado, seja em que domínio for. Importante é aprender a integrá-lo bem no presente.

    conta corrente, é uma sensação estranha, mas de uma estranheza boa, ver as palavras que escrevemos assim mostradas ao mundo. Agradeço-te o carinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou-te a achar muito matemática. É sempre difícil o passado, sobretudo os amorosos.

      Quando li o teu Aviso pensei nesta continuação.

      Se me permitires verás muito da tua Inquietude por aqui. Com ou sem ficção.

      Eliminar
    2. cc, por ser difícil o passado amargo é que ele precisa de ser bem integrado na nossa vida.

      Apagar o passado não podes porque ele existiu, está lá. E se fizeres de conta que não aconteceu, de quando em vez vais ter os fantasmas a espreitar.

      É uma questão de sensatez, diria.

      Podes "usar" a minha Inquietude à vontade :)

      Eliminar
  4. Respostas
    1. E por isso uma das maiores riquezas do Homem

      :)

      Eliminar