"Se eu te pudesse dizer
o que nunca te direi,
tu terias que entender
aquilo que nem eu sei."
Fernando Pessoa

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Prazer na minha singularidade.

Há coisas que nos enchem. Fazemos e estamos completos. Sentimento bom, em que o mundo pára, e gira, apenas e só, ao ritmo do que fazemos. Somos parte viva. É o momento em que, na imensidão infinita do universo, encontramos o eu. O prazer que se tem só pode ser explicado na singularidade de cada um.

Dito isto, eu gosto mesmo é de História e letras, muitas palavras, e histórias. Isso sim devia ser uma vida. A cozinha, quase que me atrevo a dizer, essa arte, é o melhor complemento. É um extra, um mimo, uma balança de equilíbrio, numa vida sempre torta...

Dizia a Laura Ferreira que o dia começa depois do trabalho, quando vai para o seu Teatro. E assim chegou até aqui. É verdade a vida assim obriga, a muitos de nós. Mas é bom ver que todos temos o merecido complemento, peso e medida que equilibra.

Deixo-vos um menu de Outono, pois claro. Este foi confeccionado faz já 3 anos. Falta a sobremesa, que ficou desastrosamente feia. Podem sempre sugerir uma. Este ano falhei, não pude ir... trabalho. Mas até tinha boas ideias, guardei-as para o próximo Outono.

Por ordem de mastigar:



Folhado de codorniz em cama de rúcula selvagem com romã


Creme de castanhas com morcela de sangue


Filetes de linguado em Vinho Verde com batata rosti


Lombo de porco em Vinho do Porto, arroz selvagem e legumes grelhados

Bom apetite!

E já agora enquanto mastigam, qual é a vossa singularidade? A vossa balança ou contrapeso?

22 comentários:

  1. Bem, acho que nem preciso de te dizer qual é o meu...

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Música! (ou escrita?)

      :) tu não enganas

      Eliminar
    2. A escrita...
      ...foi barco que já passou e do qual eu saí.

      E a música, cada vez mais só para mim (qualquer dia tenho sinfonias completas que ninguém vai ouvir), mas é o contrapeso dos dias!

      :)

      Eliminar
    3. Eu sei...

      Mas olha pá gosto muito de te ler e ouvir!

      Eliminar
    4. Pois, mas creio que vais ouvir cada vez menos, e ler, só mesmo as pequenas reflexões que vou fazendo...

      Um gajo deve saber reduzir-se à sua insignificância! E eu reconheço a minha e reduzo-me a ela!

      (ou se preferires, um gajo chega a um ponto em que se cansa de dar murros em pontas de faca... E o mundo vence pelo cansaço)

      :)

      Eliminar
  2. Fantástico, meu caro CC.
    Fiquei de olho no filete de linguado e no creme de castanhas.

    ( não me faça isto a esta hora!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caríssimo
      Sendo o paladar de cada um tão distintivo como a impressão digital, lhe digo que o linguado era o mais bonito mas o menos saboroso. Agora o creme, a morcela é desidratada, não perde o sabor, mas não tem água. Está misturada no creme embora não se veja. É algo que ainda hoje faço, nesta altura, como sopa corrente.

      Então e a sua balança? Ou é felizardo ao ponto de não precisar. Isso era bom.

      Eliminar
    2. Como de tudo, meu caro. Até como com os olhos, como se vê.
      É um facto, não preciso da balança para nada. Diz-me sempre o mesmo.

      Eliminar
  3. conta corrente, tenho vários contrapesos: palavras (escritas e lidas), exercício físico, música, teatro dança, viagens.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então não fazes o que gostas?

      Ou precisas de mais para te sentires completa?

      Eliminar
    2. Fora do trabalho sim. No trabalho, que já por si é uma obrigação, às vezes é o que gosto.

      Eliminar
  4. Que pratos tão giros! Admiro o teu talento, eu não conseguiria fazer nada. :)

    O meu contrapeso é a bricolage. Adoro pintar paredes, recuperar móveis, organizar coisas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha que bom :)

      Tens que ir lá a casa dar uma ajudinha :)

      Eliminar
    2. Se calhar até devia montar um negócio com o contrapeso. :D

      Eliminar
    3. Humm...

      Deixa de ser contrapeso, passa a ser vida ;)

      Eliminar
  5. eu fiquei de olho nos pratos todos.
    adoro pratos bonitos, cuidadosamente preparados.

    teatro, escrita.
    as minhas pequenas coisas, definitivamente.
    foram elas que me ensinaram que na vida posso ser várias coisas, terei de abdicar de algumas, lutar muito por outras e no fim, das melhores coisas da vida:
    deitar-me e dormir em paz.

    beijinho CC

    obrigada pelo teu carinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou em crer que o que gostas de dizer que são pequenas coisas são as maiores :)

      Eliminar
  6. Mas temos chef! :)

    Curiosamente, também acho que cozinhar é uma arte, mas fujo da cozinha o quanto posso. :)

    E tenho um amor. O meu violino. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Chef não :) eventualmente cozinheiro apenas e só.

      Violino deve ser fantástico de tocar!

      Que bom Alaska :)

      Eliminar
    2. Ainda não toco, estou aprender. Mas é o amor, o meu amor. :)

      Eliminar
  7. Hummm... tem tudo tão bom aspecto! Parabéns! :)

    Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Deep

      E tu tens algum contrapeso ao dia-a-dia?

      Algum "escape"?

      Bom fim de semana

      Eliminar