"Se eu te pudesse dizer
o que nunca te direi,
tu terias que entender
aquilo que nem eu sei."
Fernando Pessoa

domingo, 13 de novembro de 2016

O Fantasma Ausência.


Manuel Galrinho

Foi ontem. Ainda sinto. O ontem foi há 24 anos. Parecem horas. Lembro-me de tudo. As feridas que não fecham. Esta semana estiveste comigo. Eu sinto. Andas a rondar-me. Qual fantasma bom. Eu sei. Senti. Beijas bem para assombração. Fechei os olhos. Senti, juro. Abri os olhos. Já não te amo. Muito menos na tua versão de espectro. Mas gosto da tua companhia. Eu sei. Andas a rondar-me. De dia para dia. Arriscas mais nessa pele de fantasma. Oxalá não me vejam a falar contigo. São os olhos verdes, não são? Podes dizer-me. Não está aqui ninguém. Eu sei. Cada vez que andam Olhos Verdes perto de mim lá vens tu. Podes ficar. Já não te amo. Mas gosto da tua companhia. Pena, debaixo desse lençol não vejo os teus olhos. Verdes. Não. Não te vou levar ao Jardim. Tens saudades? Guardo essas tardes com carinho. Confesso não te vou ver porque não quero. Habituei-me ao teu ar de fantasma. Não, já não te amo. Com ou sem lençol. Continuas linda para assombração. Um dia ganho coragem. Conto aqui o nosso reencontro. Também foi ontem. Um ontem com 12 anos. Sabes és boa companhia. Oxalá não me vejam a falar contigo. Agora vai. Volta mais tarde. Vai. Outro dia lembrei-nos. Não sabes. Foi aqui neste post.

Ausência

Por muito tempo achei qua ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada
nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.

Carlos Drummond de Andrade 

6 comentários:

  1. Como é que podes falar em ausência de alguém que está presente em ti?
    Só está ausente quem não está em nós...

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ausente o amor de forma física.

      Presente a recordação sempre.

      :)0

      Eliminar
  2. "Já não te amo. Mas gosto da tua companhia."
    Então, conta corrente, qual é a diferença? O que mudou entre o amar e o gostar da companhia?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mudou tudo. Passou de um grande amor a uma companhia eterna. Aprendi a conviver com essa perda. Vai estar cá sempre. Mas é só isso. Uma simpática assombração que eu gosto de ter por perto. E que eu gosto de recordar. Muito.

      Eliminar
  3. ...com o tempo a dor passa a saudade perene, nem sempre isso é mau.
    Beijo doce ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo!

      É algo bom que fica e que devemos preservar.

      Neste caso um fantasminha carregado de coisas boas :)

      Beijo

      Eliminar