"Se eu te pudesse dizer
o que nunca te direi,
tu terias que entender
aquilo que nem eu sei."
Fernando Pessoa

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

nuvem

Pat & Rosemarie Keough

Acordei. Vi a nuvem.
O mundo está plano.
Outra vez.
O mundo está quadrado.
Outra vez.
O céu, azul.
Celeste.
Uma nuvem, branca.
Imaculada.
Falei aos deuses da física.
O quadrado vai virar.
Vou abrir os braços.
Vou cair.
Na nuvem.
Foi jura.
Vamos viver lá para sempre.
Se fosse redondo,
Escorregava
Apanhava-te
No outro hemisfério 
A Sul 

A lembrança da nuvem. Prometemos viver lá. Hoje vi a nuvem. Tu já lá moras. Naquele algodão podemos tudo. Mereço eu tanta sorte. Assim, enquanto não chego, escrevo-te daqui e assim. Pedi para que não haja vento. Não fujas. Estou a chegar. Agarras-me?

Estou nas nuvens.

Pudesse eu gritar ao mundo.
Pudesse eu gritar aos deuses.

3 comentários:

  1. a tua escrita já é um grito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Baixinho... Muito baixinho :)

      Obrigado ana ;)

      Eliminar
    2. Baixinho... Muito baixinho :)

      Obrigado ana ;)

      Eliminar