"Se eu te pudesse dizer
o que nunca te direi,
tu terias que entender
aquilo que nem eu sei."
Fernando Pessoa

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Fauna de sobreviventes

Fauna

Isabel Pires falava hoje de sobrevivência. A Laura Ferreira falou outro dia, não me lembro qual, que via os colegas de trabalho como família. Ao longo do dia foi-se formando a relação.

E são como família, afinal é com quem passo mais tempo. E também não os escolhi, como a família.

São a minha fauna, de forma carinhosa, e não depreciativa. São quem atura as minhas piores personagens. O tipo frio e distante de poucas falas, ou então, o tipo exageradamente bem disposto e da piada fácil.

Não me julguem, são defesas. Assim fica difícil saberem o que realmente penso e gosto. Sem dúvida, o teatro podia ter sido carreira.

Nesta fauna temos de tudo.

Neles há um dotado de bom gosto intelectual, é de letras, sensível ao que o rodeia, de grande preocupação social. Bom homem. Gosta de adivinhar o que vou dizer ou fazer. E acerta. Acha que me conhece. Os outros, além da banalidade, nada há a salientar... definham com o passar dos dias, envolvidos no trabalho, deixando dias a pingar, sempre iguais, como uma qualquer torneira avariada.

Nelas, o mistério diverte. São más. Há uma que se veste, ou tenta, para parecer moderna. O problema é que a seda não fica bem ao pobre. A roupa, embora moderna e saída dos (melhores) blogs de lifestyle, não assenta no figurino de mocinha da aldeia. Sabendo disso, ou melhor, vendo isso, é assistir de camarote aos comentários em surdina, cuspindo veneno, das senhoras. Depois há, o que o Impontual falava hoje, de insinuação sarcástica, triste espectáculo, felizmente ocorre muitas vezes fora dos olhos dos demais. Também há delas decididas, fortes e lutadoras. Há uma dotada de elevada sensibilidade para as letras (embora direccionada em banalidades) e artes em geral. Sendo que é mulher que admiro, pelo que é, mas isso são contas de outro rosário.

Em comum temos os dias de suspiros, o cansaço visível, a vontade de fugir, o estar por necessidade. Os papéis, telemóveis e telefones num tilintar insurdecedor. O aturar gentes, e gentinhas, que não consigo adjectivar...

Em comum temos o facto de sermos sobreviventes. E não faz tempo, muitos padeceram, e ao longe a buzina já grita, mais vão padecer.

Oxalá passe ao largo da minha fauna.

fauna | s. f.
FAU▪NA
1. [Biologia] Conjunto dos animais próprios de uma região, de um meio ambiente ou de uma época geológica.
2. [Depreciativo] Conjunto de pessoas



5 comentários:

  1. Temos que escapar da fauna incompatível para nos rodear-me daquela que nos interessa. Ficamos mais fortes!

    Beijinhos, CC :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta fauna diária não a escolhi. É assim a fauna do meu trabalho.
      Sabes em 6 anos toda a fauna foi reformada ou rescindiu... só fiquei eu.
      E na casa onde trabalho estão a preparar mais uma leva... É pena.
      Já estive com piores. São uns queridos.

      Eliminar
    2. E era "rodearmos", claro!:)

      Eliminar
  2. aqui na minha também há de tudo.
    e agora que estamos fisicamente mais próximos estamos ainda mais atentos uns aos outros (se é que isso é possível).
    CC, triste é quando há uma alteração neste equilíbrio de pessoas. reorganizar tudo às vezes é difícil...
    boa semana, beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A crise e grandes empresas... receita perfeita.

      O pior é que no meu caso vem nova razia, e só espero que não acerte em cheio na minha fauna.

      Eliminar