"Se eu te pudesse dizer
o que nunca te direi,
tu terias que entender
aquilo que nem eu sei."
Fernando Pessoa

domingo, 23 de outubro de 2016

Que história tão bem contada

 
Flor Garduño, Wise Book, 1997

Recentemente vi uma história. Uma história de vidas. Vidas confusas e estranhas, entre um homem e uma mulher. Quando deram por eles, viram o que não podiam. Não deviam. Não houve tristeza. Não houve nada. Constataram a perfeição da história comum. A vida seguiu.

É daqueles momentos que mais tarde, uns anos, serão recordados com saudade. É daqueles momentos que, ao serem relembrados, acabam sempre num e se...

É uma história bonita.

Como não a sei contar, estou feliz. Vi esta história muito bem contada em casa alheia. Li e pensei, vou guarda-la na minha casa.

Obrigado Ana.


então fizeram uma cidade com os sentimentos, e nessa cidade havia muros que os protegiam, um do outro. sabiam que não podiam atravessar essas barreiras, correndo o risco de estarem a invadir espaços profundos e movediços. e eram essas as margens que limitavam o que diziam e o que questionavam, um ao outro. podiam até dar asas aos seus sentimentos, se não manifestassem os mais fortes, ficando sempre, um no outro, a dúvida sobre o que o outro sentia. embora odiados por um, eram esses limites que os mantinham próximos, e tornavam possível aquele relacionamento que durou muito mais do que o esperado.

foi de repente que aconteceu. e seria preciso retroceder no tempo, não cronologicamente, mas em profundidade, para ver o momento em que começou a acontecer, quando, à medida que se distanciavam, um do outro, as muralhas começaram a diluir-se na névoa da memória longínqua. em simultâneo.






8 comentários:

  1. Eis que se está perante um amor sem fim, e um amor sem fundo :)
    Só são os sentimientos de amor mais profundos e genuínos que conheço. São estes afectos que se perpetuam psrs além do tempo, enquanto memória houver...
    Bos semana e um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bonito, porque podia ser tudo e acaba em não sendo nada.
      Enquanto houver memória será sempre uma história muito bonita.

      Eliminar
  2. a Ana e as suas histórias são maravilhosas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando a li foi instantâneo. Já tinha visto aquela história. Nunca a tinha conseguido contar de forma tão bela.

      Eliminar
  3. obrigada, conta corrente. deixas-me sem jeito...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh só precisas de continuar a escrever :)

      É como escrevi. Vi essa história recentemente, que tu contaste na perfeição :)

      Eliminar
  4. Este texto da ana, uma das "vizinhas" que gosto muito de visitar e de ler, lembra-me, ainda que tangencialmente o poema (extenso) de Daniel Filipe, "A invenção do amor".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Ana é espectacular :)

      Vou ver esse poema.

      Eliminar