"Se eu te pudesse dizer
o que nunca te direi,
tu terias que entender
aquilo que nem eu sei."
Fernando Pessoa

domingo, 30 de outubro de 2016

Música - arte (1)

 
William Claxton, 1955

Música

É talvez das formas de arte a mais presente em mim. É das mais democráticas. Pela leitura deste blog ninguém, certamente, adivinhará qual o meu género preferido. Só é preferido porque se tem mantido em mim ao longo dos tempos. Admito que não é do gosto de qualquer um, ou seja, não transmitirá nada a muitos.

Falo do estilo Punk. "O estilo punk rock tradicional caracteriza-se pelo uso de poucos acordes, em geral power chords, solos breves e simples (ou ausência de solos), música de curta duração e letras rebeldes, sarcásticas que podem ser politizadas ou não, em muitos casos uma manifestação de antipatia à cultura vigente." Está ligado a mim, ponto final. Bandas: The Clash, Sex Pistols, Ramones, e os portugueses Censurados, as malucas da banda L7. Músicas: Blitzkrieg Bop, Should i stay or should i go, Anarchy in the UK, Angústia e Não, Shitlist ou Pretend we´re dead, são exemplos.

Em simultâneo, com a rapidez do punk rock, conviveu o chamado estilo rock alternativo. Mais calmo, ou não. Bandas: Pixies, The Breeders, Smashing Pumpkins.

Logo de seguida, e mantendo-me fiel aos estilos anteriores, chegou o Grunge (ou Seattle Sound). Mais não é que um subgênero do rock alternativo. Bandas: Nirvana e Pearl Jam.

Com o fim da vertigem da fase rebelde e adolescente, fui começando a olhar para a música de forma mais calma. Procurando a perfeição em vozes, e na complexidade musical com maior número de acordes.

Chegou a fase dos Blues e do Jazz, que são a par da música clássica, formas muito mais elaboradas. Hoje perco muitas horas no Jazz e Blues, do mais puro a variantes. Apaixonei-me, recentemente, pelo som do contrabaixo.

Não tolero música electrónica pura, feita sem acordes, baseada em efeitos sonoros e remixes num qualquer computador.

Tudo isto para dizer que a música é algo de muito importante no equilíbrio do ser humano. Algo que nos distingue, algo que nos dá prazer, como toda a arte. Posso dizer que sou bastante eclético na música. Se a música me transmitir sentimentos, então ouço.

Na passada sexta-feira, fiz a minha estreia com uma Big Band. E logo, a Gleen Miller Orchestra. Foi fantástico ouvir músicas como In the Mood , Moonlight Serenade , American Patrol

Deixo aqui uma música, que a Gleen Miller Orchestra tocou, não sendo um original de Gleen Miller, mas sim de Benny Goodman. Foi fantástico o solo de bateria que ouvi.


Sing, Sing, Sing
Benny Goodman Orchestra






8 comentários:

  1. É giro que o meu caminho é bastante diferente...

    Como filho algo já extemporâneo, e com apenas um irmão 18 anos mais velho, as coisas foram estranhas!
    Por um lado a mão, costureira, com a rádio sempre ligada na renascença. Primeira banda preferida? Os Beatles, dos quais até havia uma série de desenhos animados...
    Entretanto, muita música clássica, alguma musica Portuguesa, muito do velho Frank e assim, também vindo de um enorme gosto pelos músicais de hollywood (e ver o Frank a cantar "That´s why the lady is a tramp" à Rita Heyworth...) e um irmão meio Hippie a levar discos dos Led Zeppelin, Deep Purple, Black Sabath, Whitesnake e Pink Floyd para casa...
    Com os meus 10 anos, mais coisa menos coisa, apaixonei-me pelo "The Wall", que continua a ser o meu album preferido de sempre! Depois apareceram-me os Iron Maiden, Saxxon, Accept, conheci os AC/DC, Apareceram os Metallica, Megadeth, Manowar...
    O grunge, sobretudo por parte dos Nirvana, Passou-me ao lado, bem como o Punk, se calhar porque já tinha muita música clássica na cabeça...
    Mas adorei o "Ten" que para mim é um dos álbuns da década. E os Alice in Chains, Os soundgarden que vi em Alvalade...

    Na base dos meus gostos já estava O clássico, o blues, o Rock e o Heavy Metal! E ainda é isso que me faz mexer...

    Mas, apesar disso, claro que gosto de algumas coisas punk e alternativas...
    ...e de outras coisas completamente fora, como Alamailman Vaasarat, mas isso já é só porque tenho um cérebro completamente retorcido...

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh aqui muitas bandas que não referi. Alice in Chains é muito bom.
      É engraçado. Somos fruto da época que nascemos.

      Eliminar
  2. interessante esta tua partilha.
    eu gosto de música, ponto final.
    tanto vou às "melodias de sempre" dos anos dourados do século XX, como dou um pezinho nas meninas da rádio brasileiras pré-bossa nova, como vou precisamente à música electrónica pura, com ridos minimais, orgânicos ou não...
    ontem passei uma tarde esplêndida a preparar uma pen com música para trazer no carro...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também :)

      Só a música brasileira é um mundo. E com muito a descobrir.

      Será a seguir.

      Eliminar
  3. Eu ouço de tudo. Desde música clássica à Taylor Swift. Mas é a música clássica que dança com as minhas palavras. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho raro encontrar alguém que só ouça um tipo de música. Todos nós somos sensíveis a diferentes estímulos.

      Quem é a Taylor Swift? :)

      Eliminar
  4. ... e a Taylor é:

    https://www.youtube.com/watch?v=8xg3vE8Ie_E

    Deixo-te a música mais pindérica dela. Eu cá sei a letra de cor, e até a danço em cima da cama. Enfim, maluquices. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E fazes tu muito bem :)
      É um exercício de libertação!
      Bela voz da Taylor :)

      Eliminar