"Se eu te pudesse dizer
o que nunca te direi,
tu terias que entender
aquilo que nem eu sei."
Fernando Pessoa

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Da aldeia, pois claro!

Ao fim a 21 anos reencontrei a única namorada de aldeia que tive. Foi preciso eu ser pai de um miúdo fantástico para a reencontrar. Futebol de crianças, sábado de manhã. Está bem melhor que eu. Em termos de cara. Cabelo loiro e carinha de boneca de porcelana. Lembro-me bem do marido, aliás até o vejo com alguma frequência. Bom homem, tem um bom posto nos Correios, ao que parece. Já era meu conhecido antes da dita loira. Aliás, num gesto bonito recordo o dia em veio à minha beira e me perguntou se eu levava a mal ele namorar a dita loira. "Não!" O que lá vai lá vai. Namoraram e casaram. Tem um filho lindo, loirinho. O meu filho goleou, 8-2 ao que parece.

"Olá estás bom?" - bem amarelo foi o que levei. Notei desconforto. Eu também. Normal, sem dúvida.

Pese embora estar igual de cara. Há mais coisas iguais. Mantém o mesmo ar.  Não engana, é da aldeia. Como não foi para fora, vive na mesma aldeia, há sempre qualquer coisa que a denúncia.

Moro numa cidade pequena. Desde pequeno, na escola, que identificamos com facilidade quem era ou não da aldeia. Há sempre algo que o deixa claro. Não se explica.

Recordo que nos anos que vivi em Lisboa, esta noção era mais difusa. Não era claro. Até porque em Lisboa há muita boa gente que veio de uma qualquer aldeia deste país. Processo normal.

Não há nada de discriminatório. É o que é. E aquela loira bonita é da aldeia. Da aldeia será. Feliz espero.

Gosto sempre de rever rostos do passado.

7 comentários:

  1. conta corrente, nem sempre gosto de ver rostos do passado, assim como rostos do presente.
    Com as pessoas de quem não gosto, prefiro não me cruzar.

    ResponderEliminar
  2. Há muitos rostos do passado e do presente que não quero ver.

    Mas este era bonito. É uma boa recordação. E gostei de confirmar que mantem aquele jeito diferente da aldeia. Por muito que as pessoas se esforçem por apagar evidências da sua origem, não conseguem. Eu certamente também tenho essas evidências. :)

    ResponderEliminar
  3. há recordações que se materializam bem :)

    ResponderEliminar
  4. É bom rever pessoas das quais nós gostamos e que não vemos há muito tempo,contudo,também existem aquelas pessoas de quem a gente não gosta e com as quais não gostamos de nos cruzar!!

    ResponderEliminar
  5. Sem dúvida Sandra. Esta era uma boa recordação, e inesperada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Recordações,só gosto de recordar as boas,as más não me interessam!! Mas,de qualquer maneira,minha memória é muito fraca,tenho muito pouca memória,mal me recordo da maior parte da minha infância!!

      Eliminar