"Se eu te pudesse dizer
o que nunca te direi,
tu terias que entender
aquilo que nem eu sei."
Fernando Pessoa

domingo, 25 de setembro de 2016

A Festa

Tudo isto sou eu a fazer um esforço de agradar. Quem gosta de receber tem de dar. Assim seja.

Na quarta-feira passada ao telefone:
- Olha sábado ao fim do dia tenho uma festa. - disse ela a medo.
- Que bom. Festas é sempre bom. Ao fim do dia?
- Gostava que fosses a minha companhia.
- Epá... eu e os teus amigos... Sabes bem
que não tenho paciência.
- Oh vá lá fazeres-me a vontade de vez em quando não te fazia mal, não nos fazia mal...
- Vou pensar. Mas ao fim do dia?
- Sim é uma rooftop sunset party!
- Pois... vou pensar.

Na sexta-feira passada ao telefone:
- Estou a contar contigo amanhã. - disse ela
- Sim eu vou. Chego a Lisboa pelas 18h.
- Uau eu já sabia. És lindo. Trás umas calças de sarja e uma camisa. E se calhar um blazer.
- O quê? Eu não digo que não tenho paciência... aí aí.

E lá fui no sábado. Com pouca vontade, mas cheio de vontade de agradar. Claro que fui perdendo a vontade aos poucos... Afinal a festa era num hotel na Liberdade.
- Ouve lá não era uma festa de amigos? Pensei que era na casa de alguém.
- Sim são amigos.  Mas é patrocinada por uma marca. E tem calma pelas 21h30m estamos despachados para irmos jantar.
- O quê? Não dão jantar? Aviso já, não quero fotos! Já fui enganado... Vens trabalhar?
- Pareces um velho rabugento. Acalma-te. Olha estás muito bem.
- Tu também... tu também...

Fila para entrar! Claro! Dois fotógrafos e um painel gigante com a dita marca. Quando cheguei próximo, saí da fila, passei por detrás dos fotógrafos. Um ainda olhou para mim. Eu disse: "companheiro só vim servir bebidas." E escapuli-me. Ela ficou e tirou a foto dela. Caminhei em direcção ao bar.  Escolhi uma ponta, a mais distante. Assim, podia admirar todo o terraço e respectiva fauna e flora. Sentei-me. O barman estava estava atarefado. Tinha uma caixa de especiarias de fazer inveja a qualquer indiano. Vários copos de tamanhos e formas distintas. Aparentemente só preparava gin's. Coisa da moda ao que parece.

- Amigo quero um Bushmills com gelo, em copo baixo, se faz favor.
- Isso é whiskey?
- Pois claro, amigo.
- Não quer provar um gin? Preparo-lhe um Hendrick's com pepino e pétalas de rosa, leva schwepps original premium.
- Amigo o Bushmills por favor. - Contendo uma enorme gargalhada.

O tipo demorou a encontrar a garrafa. Mas lá serviu. E arranjou um copo baixo. A dita fauna e flora, enfim merecem um post só por si. Agora a vista, do dito rooftop, era divina. Lisboa com as suas cores únicas. Belíssimo fim de dia. Outro post, sem dúvida.

Uma boa meia hora depois a minha companhia lá me encontrou.  Eu já a tinha visto a distribuir beijinhos e sorrisos. A trabalhar também. Gostei de ver o olhar de alguns homens quando se afastava. Estava na hora de eu circular um pouco também. Não há bela sem senão. E neste caso é literal.
- Vais ficar aí toda a festa?
- Não.
- Anda lá. Estão ali duas bloggers famosīssimas. Quero apresentar-te.
- Ouve! Nem te atrevas a dizer que gosto de escrever. Ouve...
- Anda rabugento.

Bom... as senhoras escrever não escrevem. São ambas patrocinadas pela marca. Não fixei. Se era maquilhagem ou lingerie, não sei. As senhoras têm um negócio, e não um blog. E vivem disso. E não digo mais. Não vale a pena...

O tempo passou... fiquei com a ideia de que pagam a pessoas famosas para ir a estas festas. A música não era má.

Ainda fui a tempo de ouvir uma espécie de elogio. Uma senhora, já era uma senhora. No bar, em mais uma pausa. Bonita, cabelo negro, cheia de charme. Sorriu quando pedi o meu whiskey. Ela pediu vodka laranja. Nada de gin's. Pareceu-me bem.
- Olha ao menos não bebes gin's coloridos, e não tens barba.

Virou costas. Nem respondi. Não me deu tempo. Uma senhora, sem dúvida.

Bom na hora certa fugimos dali.

E tu? Numa palavra: deslumbrante. Numa festa de gente bonita era para ti que os meus olhos fugiam. Nunca pensei na vida partilhar tempo e espaço com uma muher como tu. O caminho é longo. Por muitas razões que não são daqui. És...

O jantar a seguir e o resto é só nosso.

5 comentários:

  1. Pena que não houvesse um elevador...

    LOOOOOOOOOOOOOOOOOL

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :))

      Ouve lá como é que julgas que fui parar ao telhado? De elevador.

      Problemas: ia cheio, e não faltou a luz.

      Além disso não sei se mantinha a tua calma.

      Eliminar
    2. E achas que eu mantive? tentei foi fazer o melhor possível de uma situação chata...

      ...e pelo menos assim ela não se passou...
      ...ou por outra, passou-se, mas de uma maneira agradável...

      LOOOOOOOOOOOOL

      :)

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Lucrativa não, que eu sou um cavalheiro (esforço-me).

      Compensou, sem dúvida :)

      Mas estava muito desenquadrado, o que só dificultou a tarefa de agradar.

      Eliminar