"Se eu te pudesse dizer
o que nunca te direi,
tu terias que entender
aquilo que nem eu sei."
Fernando Pessoa

domingo, 28 de agosto de 2016

São teus, sim são teus

Passas o lápis negro e a máscara. 
Realçam. Crescem.
Belos e grandes. Castanhos.
São faladores. Eu tenho sorte.
Consigo ouvi-los. Não sei se há mais.
Eu consigo.
Desculpa.
São lindos quando coras.
São tudo quando estás triste.
Falam-me.
No início contaram o que eu já sabia.
Achas que é a maior dor do mundo.
Não é. O mundo é mais, muito mais.
Já te quis mostrar. E tu sabias.
Esses olhos ainda não viram nada.
Adoro o brilho quando falas de música.
Adoro o brilho quando falo de lugares.
Como crescem quando ris.
Tens medo de chorar. Chora.
A água só os faz mais belos.
Eu sei. Vergonha. Não penses.
Hoje ainda os oiço.
Faço um esforço para não os ouvir.
Eu prometi.
E tu só queres que eu os ouça.

Amanhã. Talvez.

Sem comentários:

Enviar um comentário