"Se eu te pudesse dizer
o que nunca te direi,
tu terias que entender
aquilo que nem eu sei."
Fernando Pessoa

terça-feira, 30 de agosto de 2016

É merecido!

Já não sei se é a vida que nos prega partidas, ou se não somos nós que nos pomos em linha recta para levar com a partida em cima.

Neste caso, admito, é merecido.

Tenho a mania do auto controlo, tenho a mania que antecipo tudo. Como sou atento ao meu redor, vejo e traço cenários que transformo em verdades absolutas. Não falho muito, mas falho.
E lá está a partida, falhei, e ouvi que:

"Antes de eu tomar uma decisão tu antecipas isso e achas que acertas sempre. Lamento mas não acertas sempre. Sobre nós..."

Tinhas dito que me ias escrever. Fiquei feliz, adoro ler, e tu habitualmente não escreves. Antecipei no meu pensamento o que ias escrever. O teu mundinho, o teu caos, as tuas dúvidas, o teu por do Sol, enfim aquilo que apelidei da tua vidinha curta. Antecipei no meu pensamento a minha resposta de conforto. Antecipei um post em que finalmente o vazio tinha chegado, aliás já cá estava, e tudo seguiu a sua rota normal. O mundo gira sobre si próprio, a lua gira sobre a terra e a terra gira sobre o Sol. Tudo certo portanto e cá estou eu carregado das minhas certezas.

Mas tu surpreendeste-me, foste inteligente, passaste-me a bola com força. Eu no meu umbigo de certezas, e tu escreves sobre mim e sobre nós! Ali fiquei eu a olhar, sem palavras, caiu-me a lua em cima. Como eu estava a merecer. Lá me explicaste que eu também sou cego, porque fico cego nas minhas verdades. É merecido.

Falaste-me de jantares preparados em conjunto, ao som das nossas músicas com um bom vinho tinto, de sair e viajar, de fim de semana a ler e a ver o Douro.
Esse mundo fantástico passou no meu coração há meses atrás, quando nas minhas certezas o vi. Depois passou. Percebemos que a terra não gira à mesma velocidade para todos.

Depois levantaste as tuas muralhas, e bem, o "nós" tem muitos "mas". Há demasiado conhecimento mútuo que gera desconforto e incertezas.

"Há sempre uma linha tênue que separa a admiração da desilusão" dizes tu, e dizes mais "não quero que mudes nada por mim". Ora toma só um bocadinho de pressão, só para saberes que tens a bola do teu lado. Ao mesmo tempo é bom, é a vida a girar.

Posso sempre dizer/fazer que: não sei jogar à bola; paro no pé com classe e chuto para longe; paro a bola no peito.

Se bem me conheço vem aí uma daquelas "guerrinhas" razão vs coração. Um clássico.

Hoje é assim, amanhã logo se vê.

Nota: hoje acordei com tua neblina, tenho quase a certeza que ao meio dia será sol.

2 comentários:

  1. Gostei de te ler, conta corrente... e não, nós não controlamos tudo, mas vale a pena planear. Algumas coisas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É merecido Isabel. Vamos ver o que faz agora o nosso amigo conta corrente. Obrigado eu também gosto muito a ler a Isabel.

      Eliminar